Orçamento de um casal: como fazer?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Orçamento do casalVocê é a favor de todo o orçamento de um casal deve ser gerenciado pelo que tem mais facilidade e controle?

Olá,

Essa pergunta foi enviada por um amigo recém casado, com algumas dúvidas sobre gerir seu orçamento.

Pois bem, vamos pensar um pouco.

É preciso primeiro levar em consideração que lidar com o dinheiro do outro, mesmo que sendo um casal, é o mesmo que mexer nas preferências e, muitas vezes, alterar prioridade do outro. Enquanto um quer comprar uma casa e junta dinheiro para isso, o outro lado do casal quer comprar um carro de luxo. Qual vale mais? Qual compensa mais? Ambos estarão igualmente satisfeitos se os dois (casa e carro) forem comprados. O problema é: se o casal não tiver muitas condições, prioridades precisarão ser estabelecidas, e uma compra vai ficar de lado…

Em primeiro lugar, listar as despesas que se tem na casa: luz, gás, telefone, aluguel, IPTU, e todas as contas que uma casa gera. E com isso, alocar o dinheiro necessário para cobrir essas despesas.

Depois, fazer uma lista geral de preferências comuns: compras no mercado que são comum ao casal, lugares que ambos gostam de participar e freqüentar, enfim, uma listinha bem simples, sem muita elaboração.

Mas como dividir esse dinheiro entre o casal?
É uma resposta difícil, visto que cada um ganha uma quantia diferente. Mas talvez cada um arcando com metade da despesa, ou melhor ainda, fazendo um pagamento ponderado, ou seja, proporcional ao salário de cada um. (cálculo no pé da página)

E na organização geral do orçamento, a forma mais eficiente de guardar o dinheiro seria realmente entregar para a pessoa mais controlada. Mas a partir daí, ambos perdem uma certa margem de liberdade pra beber uma cervejinha no final de semana, um presente surpresa, etc.

A sugestão que eu daria para essa situação seria:
Pagar as contas de forma proporcional ao salário de cada um;
Ambos combinarem de juntar, em uma poupança ou conta separada, uma quantia pré determinada a fim de gerar um “cofrinho”, caixinha, “porquinho”, sempre para ter uma reserva;
O que sobrar, ficaria para cada um ter a sua liberdade no cotidiano para fazer o que quiser: beber a cerveja, cafezinho, um presente para o parceiro(a), etc.

Tome sempre muito cuidado para não abrir mão também da sua pessoalidade, identidade. Depois de pagar as contas, despesas gerais e o cofrinho acima, tenha sempre uma reserva para você gastar consigo mesmo!

Forte abraço!
😉

———————————————-
Nota:
Para cálculo da proporcionalidade do pagamento:
x -> salário líquido do homem
y -> salário líquido da mulher

x+y = salário líquido total

x/(x+y) = proporção do salário do homem, um parâmetro a entre 0 e 1.

y/(x+y) = proporção do salário da mulher, um parâmetro b entre 0 e 1.

Onde a + b = 1

Pagamento proporcional das despesas de casa:

Homem -> a * (despesas totais) = parcela do homem.

Mulher -> b * (despesas totais) = parcela da mulher.

Invariavelmente, dessa maneira as despesas serão proporcionais ao salário de cada um, evitando que um pague mais que o outro em termos relativos, porém, haverá maior pagamento absoluto de uma das partes, caso os salários sejam diferentes.