Como ficar rico? Sem investir tempo é praticamente impossível

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

como ficar ricoAs pessoas me perguntam sempre: como ficar rico? Sem muito esforço, posso ter certeza de que, pelo menos, 90% das pessoas que me procuram para falar sobre finanças pessoais e ganhar dinheiro investindo, fazem sempre a mesma pergunta: o que eu preciso fazer para atingir a riqueza?

Acho que eu era ingênuo demais, e com toda atenção e vontade do mundo, ficava explicando para a pessoa o que fazer, quando fazer, o tempo, a hora, situações, etc. Acho que eu tinha mais vontade que a própria pessoa que ela enriquecesse. Quando falo enriquecer, não estou dizendo ter um iate, um avião particular. Mas, a grosso modo, ter uma vida confortável onde o salário não seja mais a principal fonte de renda. Hoje constato que eu me preocupava mais do que a própria pessoa sobre essa situação na vida dela. Como ficar rico é um estado de espírito, um hábito constante.


Mas vejo que eu não devia ter gasto todo meu português e minha saliva com isso. Deveria ter perguntado uma única coisa pra pessoa que me vem com essas perguntas: quanto tempo do seu dia/semana você gasta para aprender e lidar com investimentos e suas finanças? Quantas vezes você abriu um video no youtube (de graça hein!) para assistir algum palestrante famoso falando a respeito de algum assunto sobre finanças ou algum investimento em específico? Mais ainda, quantos blogs e jornais você acompanha para ficar por dentro? Sabe lidar com porcentagem? Pode parecer boba a pergunta, mas para muitos, porcentagem é um bicho de sete cabeças. E ter noção e habilidade com os números é fundamental. Mais ainda, quanto tempo do seu dia você dedica a leitura e diagnóstico da sua saúde financeira?

Se eu fizesse essas perguntas à pessoa, acho que eu não perderia (anteriormente, eu acreditava que estava investindo na educação financeira da pessoa) tanto tempo tentando ensiná-la como lidar com os investimentos, ou simplesmente, como ficar rico.

Essas pessoas não querem se esforçar e, num final de semana, sentar e ler um livrinho sobre finanças. Têm tantos por aí. Inclusive com o mesmo título do post: “Como ficar rico sem cortar os cartões de crédito” e outras variações. Tantos simples e didáticos, e mais ainda: baratos! E não estou falando de 3 horas lendo um livro, num sábado de sol. Falo de uma leitura de 20 a 30 minutos, que ajude a manter os conceitos claros na sua cabeça.

Outra coisa que eu observei: repasse algum video/palestra/texto/livro sobre algum assunto relacionado a finanças pra algumas pessoas. Observe que nenhuma irá ler ou procurar saber do assunto. Simplesmente se limitarão a comentar que “é muito longo”, “assisto depois”, “depois eu leio”… E por aí vai. E por ali também fica, sempre dependente do salário que recebe ao final do mês, contanto centavo por centavo pra fechar no zero a zero.

Mas olha que curioso: se o tal autor do livro/palestrante pintar pela cidade da pessoa e cobrar, sei lá, R$ 1000 por uma palestra, com o título “Como Ficar Rico“, vai chover gente lá! Inclusive o cara que disse que a leitura era muito grande. Ora, te pergunto: o sujeito poderia ler/aprender, em casa, de graça (ou comprando o livro também), no conforto do lar, no aconchego, e abre mão disso tudo, talvez por não ser muito glamouroso. Mas basta surgir uma oportunidade que seja cara, que gere algum status do tipo “eu fui à palestra do Visconde de Mauá! Ele explicou como ficar rico durante a apresentação!“, que a pessoa pagará para isso e achará que está investindo caro na sua formação financeira! Não estou dizendo que esses eventos não merecem nossa atenção. De fato alguns deles tem informações muito valiosas e podem valer cada centavo gasto para estar lá. Mas será que a pessoa procurou se informar e aprender através de meios “de graça”? De que adianta assistir uma palestra sobre Ações se o indivíduo não sabe direito o que é uma ação? É jogar tempo e dinheiro fora.

Talvez, quando a pessoa pagou por esse produto, deve ter a sensação de que “aprendeu melhor”. Não sei. Confesso que fico imensamente triste de ver grandes potenciais jogados na lata do lixo com a essa postura que não se preocupa em se esforçar. Querem ficar ricos, mas não querem se esforçar, não querem aprender. Ou quando me perguntam como ficar rico, também não se esforçam em aprender e procurar saber. É uma pena.

Forte abraço!

😉