Custo de vida no Rio de Janeiro e as formas de se proteger do aumento

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

custo de vidaO custo de vida no Rio de Janeiro está alto. Já li em algumas matérias de jornais renomados que a cidade do Rio de Janeiro não é mais uma cidade para o carioca, mas uma cidade para turistas, que conseguem entrar no Brasil “ajudados” com uma taxa de câmbio nominal de aproximadamente 1 dólares para cada 2 reais, ou 1 euro para cada 2,60 reais… Pois é, parece bobeira, mas, de fato, quem vem do estrangeiro com dólar ou euro tem uma certa vantagem quando chega em solo brasileiro.

Pode-se argumentar que nos EUA ou na Europa o custo de vida é maior. Sim, de fato é. Mas para qualquer dinheiro que o americano ou o europeu consigam guardar, equivale a 2 ou 2,6 unidades de dinheiro que nós conseguimos guardar. Por isso, muitas vezes, vemos os “gringos” bebendo as bebidas caras, comidas exóticas que estão nos cardápios e que raramente pedimos. Parece que nos cardápios tem alguma nuvem por cima de alguns pratos ou bebidas, com a tarja: somente turistas estrangeiros.

E por que isso tudo está acontecendo, principalmente, com maior velocidade, na cidade do Rio de Janeiro? Por que o custo de vida na cidade está evoluindo de forma tão acelerada?

As causas são muitas. E fica difícil poder mensurá-las assim, de sopetão. Mas podemos citar, basicamente, 2 eventos que, como choques externos (positivos? Ou negativos?), geraram uma mudança na agenda carioca dos últimos 5 anos pra cá. Copa de 2014, Olimpíedas de 2016 (este com maior peso), vão influenciar enormemente nossas vidas.

Projetos e projetos são feitos, modelados, desfeitos e refeitos. Estações de metrô, trajetos, empreendimentos, hotéis… Isso virou notícia comum nos nossos jornais.

Há diferentes formas e caminhos dos preços praticados no Rio de Janeiro terem sido afetados. Vou optar pela mais óbvia e concreta – sem desmerecer nenhuma outra – valorização dos imóveis.

Os imóveis no Rio de Janeiro sofreram grande valorização, como mostrado neste post . Muito acima da inflação. E, como os aluguéis tem alguma proporcionalidade com os preços dos imóveis, os aluguéis também devem ter subido em igual magnitude, impactando a estrutura de custos dos comerciantes, hoteleiros, industriais, empresas… E para nós, consumidores, nos resta o preço mais caro.

Não há culpado e nem errado nessa história. O aumento do custo de vida da cidade do Rio de Janeiro pode até ser saudável, sendo esse o preço por um processo acelerado de crescimento que a cidade vem enfrentando.

O que é importante para o leitor é notar que o mundo não está perdido e que também não precisa abandonar a cidade do Rio de Janeiro. Uma maneira boa de se defender desse aumento dos custos dos bens e serviços, além da inflação, é aplicar em investimentos que tenham alguma referência a inflação.

Títulos do Governo (Tesouro Direto) NTN-B, que tem sua rentabilidade atrelada ao IPCA. Se gosta mais do risco, ações de empresas que tenham contratos indexados a inflação.

Se prefere os imóveis, mas não tem dinheiro para comprar um para se defender da inflação, utilize os fundos de investimento imobiliários. São boas alternativas de proteção contra a inflação, além de gerarem um bom fluxo de caixa ao longo dos anos. Ou se já tiver algum imóvel, o próprio aluguel do imóvel como fonte de renda.

O que é importante estar sempre ciente e esperto, é o fato de estar sempre protegido da inflação e do aumento do custo de vida na sua cidade. O Rio de Janeiro é um caso emblemático e bastante atual.

Para medir o seu custo de vida, verifique a evolução do seu orçamento para as compras no supermercado, o quanto você está pagando de conta telefônica, luz, gás… Você pode ter uma boa aproximação da evolução do custo de vida a partir do momento que você anotar todos esses gastos e puder ir manejando seus recursos a fim de otimizar os seus gastos e satisfações.

O que serve de certo alento é que boa parte das construtoras não estão conseguindo vender as unidades já construídas de seus prédios, empurrando os preços dos lançamentos dos imóveis para baixo. Até quando e quanto essa tendência se verifica? Não sei. Se soubesse, já estaria milionário. Mas é certo que essa queda, cedo ou tarde, terá de ser repassada para o nosso custo de vida. Seja carioca, paulista, mineiro…

Segue aqui o link para o custo de vida aproximado do Rio de Janeiro e outras cidades!

Forte abraço!

😉