Banco: escolher bem aonde o seu dinheiro ficará guardado

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

bancoParece boba a situação mas escolher um banco que atenda as suas necessidades é fundamental. Há inúmeras propagandas de grandes bancos, aqui no Brasil, para o público em geral, e são eles: Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco, Caixa Econômica Federal e Santander.

Existe algum banco melhor que o outro em todos os quesitos? Difícil responder a esta pergunta. Mas seria muito mais fácil remodelarmos a pergunta: qual desses bancos atende, de forma mais eficiente, às minhas necessidades como usuário e cliente?

É por isso que uma escolha consciente de onde o seu dinheiro ficará guardado é fundamental!

A história da evolução dos bancos é vasta. Seria difícil precisar aonde e como, efetivamente, surgiu o modelo de banco comercial que temos hoje, aqui no Brasil e no mundo. Podemos dizer que esse modelo foi uma junção e construção de vários modelos do mundo todo e acabou por termos o que hoje chamamos, vulgarmente, de banco, aonde o principal intuito é guardar a nossa riqueza (dinheiro, investimentos, volumes em cofres fortes, etc…) e utilizar os meios que a instituição financeira disponibiliza para pagamentos (cartões de débito e crédito, talão de cheques, fundos de investimento com baixa automática, etc…).

O que precisamos saber, inicialmente, é se a instituição financeira está saudável ou não. O melhor dos mundos seria que todos nós tivéssemos conhecimentos suficiente sobre Contabilidade para que pudéssemos olhar um balanço patrimonial e tirássemos nossas próprias conclusões. Entretanto, esse conhecimento é limitado a poucos (contadores e contabilistas), que conseguem diagnosticar, através dos números, a saúde financeira de uma instituição como um banco. Então, podemos recorrer a própria internet, ao relato dos clientes mais antigos, arquivos, histórias… Tudo que aglomere e agregue informação sobre a história daquele banco. Se ele já passou por uma situação de aperto, como foi que ele saiu dessa situação; se foi ajudado pelo PROER nos idos dos 1995 e como ele foi ajudado, se é que ele ainda existe nos dias de hoje sob o formato antigo… É preciso verificar esse aspecto pois, caso o banco quebre, o seu dinheiro some e você fica a ver navios. Há casos de pessoas que perderam o dinheiro de toda a aposentadoria em bancos de investimento, só porque colocaram toda a sua riqueza naquela instituição. Espero que você não seja esse tipo de pessoa!

Em segundo lugar e também extremamente importante, é o valor das tarifas e serviços oferecidos pelo banco. De que adianta você ter uma conta corrente com mil e uma funções e pagar por todas elas, sendo que você só utiliza 3 ou 4 dessas funções? E por que pagar caro por algo que a concorrência oferece a você de forma mais barata? Dia desses a operadora do cartão de crédito me ligou oferecendo um upgrade no meu cartão. Eu deixaria de pagar a anuidade X e passaria a pagar uma anuidade de 5X. Qual vantagem eles me davam? Acumulação de pontos em milhas de viagem ou conversão desses pontos no abatimento da tarifa. O meu limite de crédito seria o mesmo. Eu não usaria os pontos pois não uso o cartão com volume suficiente para acumular tantas milhas assim, além dessas milhas tem prazo de validade. Logo, para mim, essa “vantagem” não fazia sentido. Não aceitei a proposta e preferi continuar com meu cartão antigo. Essa e outros serviços que o banco te oferece (e cobra por isso), devem ser avaliados por você na hora de abrir uma conta nessa instituição.

Outro aspecto, também de extrema relevância, é a quantidade e capilaridade das agências da instituição. De nada adianta abrir a conta num banco que só tem uma agência na cidade, digamos, Rio de Janeiro ou São Paulo. Óbvio que você não deve esperar que haja agência do banco no meio da floresta amazônica, mas pesquise, no próprio site dos bancos, aonde estão as agências mais próximas, e, caso viaje muito, os lugares aonde tem tais agências mais perto de você.

Aqui segue uma tabela, do site do Banco Central, dos serviços que os bancos comerciais devem oferecer gratuitamente!

Por fim, sinto desanimá-los, mas vai ser difícil encontrar um banco que “não tenha filas”. Hoje em dia, infelizmente, priorizando pela eficiência e redução de custos, não há caixas/guichês com pessoas suficientes que consigam atender o público de forma rápida entre os dias 1 e 15 do mês. Não se iluda com a quantidade de guichês vazios sem ninguém atrás, pois isso é um ranço da época de alta inflação no Brasil em que os bancos tinham uma estrutura enorme para atender a população que ia, diariamente, às agências. Hoje em dia não é mais assim. Então, não espere muitas diferenças no atendimento em si entre um banco e outro.

Escolha bem o seu banco!

Forte abraço!

😉