Renda fixa: uma forma mais segura de ganhar dinheiro

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

renda fixaRenda fixa é um nome bonito para investimentos que dão ao investidor uma certeza muito grande do quanto ele vai ter no futuro. Esse ganho e certeza podem variar muito em função de cada tipo de investimento. Um investimento com taxas pré fixadas tem a característica de dar a você, no ato da aplicação, o rendimento da aplicação até o final do período da sua existência (um título de 5 anos, por exemplo). Já um investimento com taxas pós-fixadas, você só terá plena noção do quanto rendeu após o término do investimento (um título de 20 anos) – e basicamente tem um indexador a esse título.

Muita coisa né? Vamos com calma e construir, conceito por conceito, ao longo dessa coletânea de posts sobre renda fixa.

Conforme já apontado nos parágrafos anteriores, renda fixa é uma modalidade de investimento onde o investidor tem noção da rentabilidade da sua aplicação. Geralmente utiliza-se títulos de dívida, Títulos do Governo (Tesouro Direto), para investir na modalidade de renda fixa. Porém, uma pesquisa um pouco mais aprofundada vai encontrar títulos de dívidas de empresas – como debêntures – e títulos de países negociados lá fora, como Europa e EUA – e esses títulos chamam-se Globals.

O ponto alto da renda fixa é reduzir o risco e a volatilidade da carteira de investimentos de um indivíduo ou empresa. Fundos de previdência privada mesclam os recursos da sua carteira (conforme o perfil do indivíduo) entre Títulos Públicos, títulos de dívidas (ambos renda fixa) e ações (renda variável). Dessa forma, o gestor deste plano de previdência privada procura uma locação ótima de recursos entre renda fixa e renda variável. Assim, uma elevação muito forte dos preços das ações e, conseqüentemente, valorização do seu patrimônio, tem seu efeito reduzido em função do peso que a renda variável tem no seu plano de previdência. Da mesma forma, quando há uma queda brusca nos preços das ações, como em 2008, a sua carteira também sofre perdas, mas acaba tendo seu efeito diminuído, já que não é a totalidade do plano de previdência privada.

Além disso, a renda fixa pode ser utilizada com muitos outros objetivos. Um dos principais e que eu acho fundamental, é a idéia de reserva e transferência de valor no tempo. Ou seja, aplicando em um prazo razoavelmente grande (mais de 2 anos), o dinheiro em renda fixa, é bem provável (98% de certeza) que o seu dinheiro tenha mais valor real (ganho acima da inflação no período), do que se ele estivesse numa poupança ou até mesmo debaixo do colchão da sua casa.

Há muitas outras funções, como reserva de valor para aposentadoria, compra do imóvel, espera de bons investimentos surgirem, financiar os estudos para os filhos, herança, etc etc etc…

Enfim, o tema de renda fixa é extremamente amplo. Espero que gostem deste post introdutório. Com o tempo, irei escrevendo cada vez mais sobre o assunto e tentar esclarecer sobre o conceito e prática da renda fixa.

Forte abraço!

😉