Viagem internacional: como se programar bem com a taxa de câmbio

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

viagem internacionalUma viagem internacional requer mais planejamento e calma na hora de montá-la. Desde a escolha do lugar que você deve visitar, o local da hospedagem, possíveis destinos e pontos turísticos, etc, etc, etc.

Mas um fator extremamente importante deve ser levado em consideração na hora de montar uma viagem internacional: a taxa de câmbio corrente do Real frente a qualquer outra moeda (geralmente o Dólar Americano – USD ou US$). Esse ítem é de suma importância, pois com um câmbio favorável a você, que está indo para um lugar estrangeiro, permitirá que você consiga efetuar compras e gastos com menos dinheiro.

Para entender melhor, lembrem rapidamente, em 1994/95, quando o dólar custava aproximadamente R$ 1,00. Era fácil ir para os EUA, pois estava tudo “barato”. Lembram quando o dólar bateu R$ 3,00 nos idos dos anos 2002? Ficou muito mais caro. Pois com a mesma quantidade de dinheiro (em reais), você só conseguia comprar 1/3 do que comprava antes em dólares.

Primeiramente, um bom planejamento para uma viagem internacional, consiste em verificar o câmbio da moeda local em relação a moeda estrangeira. Vamos utilizar o Real (Brasil) e o Dólar (EUA). É impossível dizer, com precisão, quanto estará o Dólar no momento da sua viagem, assim que você entra no avião e parte para o exterior. Mas há maneiras de você ficar antenado nessa cotação:

  • Verifique-a com freqüência na internet, em sites de busca, Google ou qualquer outro;
  • Tente observar em algum jornal específico sobre economia (como o Valor Econômico, Jornal do Commercio), quais são as tendências apontadas para o valor do câmbio no período que você pretende viajar, e quais são as posições do Governo em relação ao câmbio – se pretende valorizar o Real, ou seja, ‘barateando’ o dólar, ou se pretende desvalorizar o Real, ou seja, ‘encarecendo’ o dólar, do ponto de vista de nós, viajantes/consumidores

Ok, feito isso, você pode agora assumir a seguinte postura: estipular, para você mesmo, um piso e um teto para a cotação do dólar, que você esteja disposto a viajar. Óbvio que um dólar a R$ 1,50 é melhor do que um dólar a R$ 3,00. Mas a distância entre 1,50 e 3,00 é enorme! Então, você pode aproveitar e dar um valor pra você mesmo: acho que o dólar a R$ 2,10 está numa boa cotação para que eu possa fazer minha viagem internacional, sem problemas, já que incluiria tudo no meu orçamento da viagem. E também estipular um máximo que você estaria disposto a pagar além dos R$ 2,10 – ou seja, estou disposto a pagar um dólar somente até R$ 2,12 e nada além disso.

Se você for disciplinado e for acompanhando a cotação do dólar ao longo do tempo até o momento da sua viagem internacional, é capaz de conseguir comprar a moeda estrangeira dentro do preço limite que você estipulou para você mesmo, conseguindo aproveitar eventuais quedas na cotação e comprando mais do que havia planejado. Mas isso requer certa disciplina e paciência, além de calma e evitar ataques de ansiedade.

Se você pretende comprar dólar em casas de câmbio especializadas ou em bancos, não fique assutado com a cotação praticada, bem diferente (e menos favorável a você), do que a praticada no mercado financeiro e pelo Banco Central. Novamente, se você pretende levar dólares a vista, no bolso, estipule um intervalo de cotação, com média da cotação X e um pouquinho acima e um pouquinho abaixo, como descrito acima. Novamente, calma e paciência são essenciais nessas horas.

Espero que esse post ajude você a planejar melhor a sua viagem internacional. Fique atento a isso! E quando estiver lá fora e precisar trocar dinheiro, verifique as cotações, destine 10 minutos do seu dia para você não sair perdendo quantidades absurdas de dinheiro!

Boa viagem internacional para vocês!

Forte abraço!

😉