Quanto custa o seu dia? Já fez as suas contas?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

quanto custaQuanto custa o seu dia?

Você tem idéia de quanto gasta, por dia, com todas as suas necessidades e desejos? E se incluirmos as contas de serviços e gastos eventuais ao longo do mês? Já botou isso na ponta do lápis?

Fiz essa pergunta a uma pessoa em uma situação financeira desconfortável. Perguntei: fulano, você tem idéia de quanto custa o seu dia? E a resposta que ele deu foi: infelizmente, não, apenas tenho uma noção muito vaga, mas nada precisa.

E é por isso que muita gente fica por aí choramingando que o salário termina antes do mês. Tome cuidado com isso!

É estranho imaginar a forma de calcular o custo diário da sua vida. Bom, cada um pode usar a forma que achar mais confortável. Eu, particularmente, prefiro anotar todos os gastos que tenho no dia a dia: passagens de ônibus, lanches na rua, refeições em restaurantes, tudo, absolutamente tudo que gasto durante o dia, eu anoto em um papel e à noite (ou no dia seguinte) repasso esses valores para uma planilha em que tenho os registros de todas as entradas e saídas de grana do meu bolso.

Dessa maneira, eu posso olhar, na hora que for, seja pelo próprio computador, notebook, tablet ou smartphone, a radiografia/retrato instantâneo da minha vida financeira. O ponto crucial dessa medida é: a grana que está na minha carteira não é tão relevante. O indicador mais importante é o saldo disponível que tenho na minha planilha, pois nela eu tenho todo o gasto do mês orçado e contingenciados para uso futuro. Assim, se tenho R$ 300,00 na carteira, mas o meu saldo disponível na planilha é de somente R$ 100,00, isso significa que só posso gastar R$ 100 ou menos. Caso contrário, estarei estourando o meu orçamento.

Por isso, a pergunta continua valendo: quanto custa o seu dia?

Para aprimorar ainda mais essa conta, some todos os seus gastos com serviços durante o mês – telefone, luz, gás, aluguel… – e depois disso, divida esse valor pelo número de dias (corridos) que teve o mês. Da mesma maneira, some os valores gastos durante todos os dias (dia a dia) do mês e depois divida pelo número de dias do mês. Vamos à fórmula:

(A + B)/n

onde A = gastos do dia a dia; B = gastos com serviços e mensalidades em geral; n = número de dias corridos do mês.

Por fim, deêm esse site, com nome parecido com o título deste post: quanto-custa.com

Dessa forma, você terá plena noção de quanto custa o seu dia e poderá ter maior controle sobre as suas contas pessoais. Fique de olho!! Sempre que você encontrar alguém na situação de pindaíba financeira, pergunte: quanto custa o seu dia?

Forte abraço!

  • Eduardo Arthur

    Boa tarde. Tenho uma boa ideia e fiz um plano de negocio, estou sem dinheiro. O investidor ficara com que percentual do lucro e quanto eu ,caso ele coloque todo o capital inicial para criar o empreendimento ?
    Grato
    Eduardo

  • Leandro Marques

    Boa tarde, Eduardo, tudo bem?

    Bom, primeiramente, obrigado pela leitura e comentário!!

    Em segundo lugar, já que você possui um plano de negócios e está sem dinheiro (capital inicial) para o investimento, o ideal seria que você apresentasse essa idéia/plano de negócios para um potencial investidor. Ou melhor, se preferir, juntar um grupo de pessoas de razoável confiança e vender essa idéia para essas pessoas. Essa é uma, dentre as muitas formas, de resolver o seu problema para capitar recursos externos para empreender o seu negócio.

    Olha, dizer qual deve ser o percentual do lucro que deve ficar para o investidor é difícil, assim, de primeira. Precisaria de um estudo mais minucioso do caso, do setor de atuação do seu negócio, do risco envolvido além de, é claro, fazer a comparação com algum tipo de negócio sem risco na atual conjuntura. Você pode usar como parâmetro a taxa SELIC para ter uma média de retorno anual do empreendimento.
    Com a taxa SELIC a 7,25% ao ano. Então, a grosso modo, o investidor estaria indiferente entre investir o dinheiro dele no seu negócio, caso o seu negócio renda a ele 7,25% ao ano. Caso o seu negócio renda mais do que 7,25% ao ano para ele, é muito provável que haja um forte incentivo para que ele invista em seu empreendimento. Basicamente, o que fundamenta essa idéia é o fato de que investir o dinheiro em SELIC é um investimento “livre de risco”, enquanto que o seu negócio tem mais risco. Por isso que o rendimento tem que ser no mínimo igual ou maior que a SELIC.

    Para ficar mais robusta a idéia, você deve inserir um “prêmio de risco” na proposta de rendimento para o investidor: rendimento = SELIC ao ano + 3%. Assim você está concedendo a ele um prêmio de risco de 3% ao ano para incentivá-lo a colocar a grana na sua mão.

    Entretanto, isso pode variar muito, com o investidor recebendo 50% do lucro e você os outros 50% porque teve a idéia e o trabalho… Vai depender da sua proposta e o trato que vocês fazem.

    Infelizmente o blog não tem como foco a montagem de negócios e nem a especificação de alocação ótima de recursos de terceiros no capital social da firma. Entretanto, acredito que há algum material disponível aqui no blog. Clique aqui para saber mais sobre empreendedorismo e a visão que tenho a respeito do tema.

    No mais, espero ter contribuído e ter diminuído (ou zerado) a sua dúvida!

    Abraços,
    Leandro